Corpo & Saúde Edição 44 (Fev/Mar 2018)

O melhor amigo do homem, até na hora do treino!

Ano novo, vida nova! Se sua meta de 2018 é começar uma atividade física, mas está sem vontade, ainda há uma solução: adote um cachorro! Pesquisas já comprovam que, ao ter um animal de estimação, de preferência um cão, a pessoa obrigatoriamente adere a uma atividade física, sendo a mais comum a caminhada. Cachorros exigem passeios de, pelo menos, 30 minutos por dia. Se no meio do caminho o cão quiser correr ou brincar, o condutor se exercitará ainda mais. “Com o simples ato de adotar, o animal tira a pessoa do status de baixa atividade física e a coloca em um ritmo mais ativo. Claro que isso beneficia tanto a pessoa quanto o animal que aproveita os passeios para caminhar, gastar energia, conhecer outros cães, se estimular sensorialmente, além de aliviar as necessidades fisiológicas”, explica Rafael Wisneski, adestrador especializado em manejo comportamental de cães e gatos da Meu Cão Companheiro. Os cães são, inclusive, bons companheiros quando o tutor deseja começar uma atividade física mais intensa, como uma corrida no parque. Se a ideia é essa, é preciso cuidado com algumas raças e com o condicionamento físico do animal. Lembrando que, para que o cachorro acompanhe a sua corrida de 5 km no parque por exemplo, é preciso que tenha, pelo menos, um ano de idade, para que a estruturação física do animal esteja formada e maturada. “Não é indicado fazer isso com filhotes, porque apesar de apresentarem uma energia física alta, o organismo não está preparado. Quem busca isso, não adianta adotar um filhote agora no começo do ano e achar que vai correr muito com o animal ao lado em 2018. É melhor adotar um cachorro mais velho ou fazer atividades mais leves com o filhote”, reforça o adestrador.

AS RAÇAS MAIS INDICADAS PARA A CORRIDA: Os cachorros braquicefálicos, aqueles com o focinho bem achatado, como Buldogue, Shih Tzu e Lhasa Apso, o que atrapalha a respiração, não são os mais indicados a fazerem exercícios físicos mais intensos. Prefira os Galgos, Whippet, Pastor Alemão, Border Collie ou mesmo o Golden Retriever que, mesmo eles, precisam de um condicionamento físico. “O que eu vejo, muitas vezes, é o tutor adotar um Whippet e querer correr 21 km no primeiro dia com o animal. Isso vai matar o cachorro! Ele também precisa passar por um preparo, alongamento, condicionamento, começando devagar. É exatamente o que acontece conosco”, explica o adestrador. Dos sinais mais comuns que o cachorro precisa de um descanso, os tutores devem ficar atentos se estão salivando demais ou se o animal deitou e não quer se mexer. “Se ele deitou e ancorou, isso mostra claramente que o animal não está bem. É importante também observar o pós-treino: se ficar muito tempo cansado, ele pode ter dores musculares e precisa ficar de dois a três dias descansando para recuperar”, orienta. Antes de começar um exercício físico mais intenso, busque um médico veterinário especialista em cardiologia, para uma avaliação da saúde. “Quando o animal for tomar água durante o exercício, assim como os humanos, ele não pode tomar muita água. São só algumas lambidas para matar a vontade, mas muita água pode gerar a torção estomacal, que é perigosa”, diz o adestrador. Qual o melhor horário? Está em dúvida do horário para levar o cachorro para passear? Coloque a mão no asfalto e permaneça assim durante 5 segundos. Se aguentar bem, as patas do cachorro também aguentarão. Caso contrário, espere por raios de sol menos intensos, como no início da manhã ou fim do dia. Esse assunto é apenas o início de um incentivo, é bom lembrar que só corrida e caminhada não bastam para se obter um resultado mais completo. Alternar treinos de musculação ou algo similar irão ajudar a preservar e até desenvolver a quantidade de massa magra no corpo! Bons treinos!