Fisioterapia Especializada Edição 41 (ago/set 2017)

Dor cervical

A dor cervical vem afastando muitas pessoas de suas atividades como trabalho, esporte e lazer. Tarefas simples do cotidiano como digitar, escrever, movimentos de cabeça, vêm gerando grandes desconfortos. A região cervical possui conexão direta ou indireta com várias partes do corpo, como cabeça, ombro, caixa torácica e a região da lombar. É a base de sustentação e aumenta a amplitude de movimento de flexão, extensão, rotação e inclinação do crânio sobre a primeira vértebra cervical. Faz ligação com o ombro por meio dos músculos que se interligam à escápula e à clavícula com a cervical.  Alguns músculos reagem com pontos de tensão mediante o estresse e excesso de movimentação, gerando pontos gatilhos miofasciais que influenciam diretamente nas dores. Doenças crônico-degenerativas como hérnia de disco e artrose costumam ter diversas causas e é um conjunto de fatores como: má postura no trabalho, lendo ou assistindo TV, sedentarismo, ficar muito no celular, movimentos repetitivos, fatores genéticos e estresse. Com os primeiros episódios, se não forem tratados, podem causar dores fortes e incapacitantes.

SINAIS E SINTOMAS:
1. Espasmos musculares;
2. Diminuição da amplitude de movimento;
3. Dor que começa na nuca;
4. Sensação de peso nos ombros;
5. Formigamento;
6. Cefaleia (dores de cabeça);
7. Crepitação no movimento;
8. Fraqueza muscular.

POSTURA:  A cabeça relativamente anterior ao ombro pode sobrecarregar estruturas posteriores da cervical, comum individuo de perfil o ideal é que suas orelhas estivessem alinhadas com os ombros. Quando estamos sentados mediante a um computador ou celular colocamos a nossa cabeça à frente, 100% do peso fica à frente da linha dos ombros, gerando sobrecarga em músculos, ligamentos, articulações e discos na região posterior da cervical.

TRATAMENTO E PREVENÇÃO:  Após uma avaliação, é planejada a sequência de tratamento a ser seguida de acordo com as necessidades, fazendo com que o tratamento seja individualizado e específico para cada tipo de lesão. Entre as técnicas que podem ser utilizadas são tração eletrônica, fisioterapia manual, exercícios de estabilização muscular. Para prevenir outras dores, manter uma atividade física respeitando os limites de cada corpo, para não trazer outras lesões e manter a estabilização correta de cada estrutura corporal.