Lozano celebra Jubileu de Rubi

Escola está completando 40 anos de muita história em 2017 e preparou programação especial para comemorar a data

Amor à escola: equipe atual da EMEF Prefeito José Lozano de Araújo no piquenique que deu início às comemorações do Jubileu de Rubi do colégio

Texto: Fernanda Marques Valente
Fotos: Aline Tosta/Arquivo Pessoal

A escola que leva o nome do primeiro prefeito de Paulínia, José Lozano Araújo, está comemorando seu Jubileu de Rubi. São 40 anos desde sua inauguração, em 13 de agosto de 1977.
A história da EMEF Prefeito José Lozano Araújo é repleta de viravoltas, a começar pelo fato de não ter sido construída para ser uma instituição de ensino, como explica a atual diretora, Rosemar Vissoto. ”O prédio foi construído pelo prefeito José Lozano no intuito de abrigar uma rodoviária. Mas a vizinhança foi crescendo e se tornando um bairro residencial, o que inviabilizou os planos iniciais”, relata.
Rosemar conta que, após algumas adaptações estruturais, o prédio foi emprestado para o Estado e foi instalada uma escola estadual que funcionou em Paulínia até o ano de 2004, quando o edifício foi devolvido à cidade, e a escola, municipalizada. “A escola estadual oferecia aulas de primeira à quarta série. Quando se tornou uma escola municipal continuou com a mesma oferta, até que,em 2008, foi implantado também o Supletivo2, só que no período noturno”, esclarece.
O curso noturno só funcionou por dois anos e depois foi encerrado, e os alunos, realocados. Nesse mesmo ano, em 2010, foi quando o Ministério da Educação mudou o Ensino Fundamental para nove anos e o dividiu em dois níveis. A escola, que já estava adaptada ao novo modelo, continuou com alunos do Ensino Fundamental I,do 1º ano (antiga pré-escola) ao 5º ano(antiga 4ª série).

Vitória: após dois anos em reforma, escola foi entregue renovada em 2015; ações da APM foram fundamentais para a conquista

Lutando pela  escola Lozano

Com tantos anos servindo de colégio para centenas e centenas de alunos, sem passar por grandes reformas, em 2014 o prédio da escola Lozano estava em situação precária. Angélica Dias Nunes, professora responsável do apoio pedagógico, relembra a visita da Defesa Civil que apontava, além dos problemas visíveis – como vazamentos e cupins -, problemas estruturais graves.
Na época, a administração pública de Paulínia passava por um período caótico. Só naquele ano foram feitas oito trocas de prefeito. Para chamar a atenção das autoridades para os riscos que os estudantes estava submetidos, a APM (Associação de Pais e Mestres)da escola tomou uma iniciativa diferente.
Eles reuniram mais de 400 pessoas, entre alunos e ex-alunos, funcionários e ex-funcionários, e simpatizantes da causa para dar um abraço coletivo na escola e pedir prioridade na reforma para que os alunos pudessem estudarem um ambiente seguro. “Depois do abraço, foi uma grande vitória para agente. Mas ainda tínhamos outra luta pela frente”, recorda a também professora responsável do apoio pedagógico, Rosangela de Marchi Oliveira.
A prefeitura iniciou as obras de revitalização e os alunos foram transferidos para uma escola no bairro São José II, cerca de oito quilômetros de distância da Lozano. Um ano se passou e a reforma não havia sido concluída, trazendo transtornos a todos coma distância do local para o qual foram realocados. Foi então que a APM fez outro manifesto, desta vez intitulada de “bolo de desaniverário”.
Graças ao empenho da APM e seus simpatizantes, em 2015 o Lozano foi entregue reformado e os alunos puderam voltar a estudar na região central e em espaço salubre.

História: 1ª turma de 8ª série a se formar na escola, em 1982; sentada e ao centro, Dona Francisca, conhecida como Chiquinha, esposa do prefeito Lozano

Um semestre inteiro para as comemorações

40 anos é uma data muito importante para passar em branco, afirmaram as profissionais durante minha visita à escola. Para tanto, elas prepararam, em parceria com a Secretaria de Educação de Paulínia, um semestre inteiro de atividades comemorativas ao Jubileu de Rubi. A primeira delas aconteceu em julho, quando organizaram um piquenique no Malavazzi com apresentação de uma breve história sobre o passado do colégio Lozano.

Em agosto, no dia 26, acontece a Festa dos 40 anos na própria escola. Na oportunidade, será criada uma “cápsula do tempo”, na qual os alunos e funcionários depositarão suas esperanças para o futuro em forma de cartas,que serão lidas daqui a 10 anos, ou seja, em 2027. Também haverá apresentações de danças dos estudantes. Em setembro, na Semana da Pátria, as classes apresentarão seus trabalhos sobre cada período da história da escola. Em outubro, o Jubileu será lembrado durante a Semana da Criança,com programações especiais. Já em novembro, dia 30, será apresentada uma peça teatral em homenagem aos 40 anos no Theatro Municipal. E para encerrar as celebrações, entre os dias 1º e 8 de dezembro, serão arrecadados donativos para serem entregues às entidades assistenciais de Paulínia. “Convidamos a todos os ex-professores, ex-alunos, ex-funcionários e os atuais, a participarem dos eventos programados para essa comemoração tão importante na história do ensino da nossa cidade”, chama a diretora Rosemar Vissoto.

Desfile de 7 de setembro de 1982: entre os integrantes das fotos estão seu Juraci Calvo e Dona Jandira Oraggio, ambos foram diretores da escola; nas imagens vê-se a fachada da escola que foi projetada para ser rodoviária e acabou se tornando uma instituição de ensino