Formada em Educação Física pela PUCC, Malba Aragão começou como jogadora e se tornou técnica de basquete, mas foi na dança que se encontrou como profissional e onde permanece até hoje

Aposentada, a professora já foi secretária municipal de Cultura, diretora, chefe de departamento e voluntária; hoje ela se dedica ao seu próprio espaço: o Corpo de Dança Malba Aragão, onde acumula as funções de coreógrafa, diretora artística, supervisora e figurinista 

POR ADEMIR INÁCIO 
FOTOS: ADEMIR INÁCIO | WILLIAM RODRIGUES – STUDIO JWR 

Malba Virgínia Aragão se tornou um dos principais nomes da dança de Paulínia e região. Nascida em Campina Grande (PB) em 24 de maio de 1960, filha de um vendedor de equipamentos agrícolas e de uma dona de casa, já conheceu o Brasil todo, seja morando com a família ou em apresentações artísticas.  

Formada em Educação Física pela PUCC (Pontifícia Universidade Católica de Campinas), ela começou como jogadora e se tornou técnica de basquete, mas foi na dança que se encontrou como profissional, onde permanece até hoje. “Assisti a uma apresentação de dança do Lions Clube no ginásio de esportes, onde fui voluntária mais tarde, e me encontrei ali”.  

Engajada, participou da Fundação Roberto Marinho em 1984, onde ministrou aulas de iniciação ao esporte junto com a dança. Em 1985, começou na Secretaria de Esportes da Prefeitura de Paulínia. Em 1987 criou o Departamento de Dança com apenas 20 alunas. No ano seguinte, triplicou esse número até chegar em 600 alunos/ano. Ocupou cargos importantes: já foi secretária municipal de Cultura, diretora, chefe de departamento e voluntária, onde tudo começou.  

Seus alunos se apresentaram em diversos Estados como Rio de Janeiro e Minas Gerais, além de Santa Catarina, nos palcos abertos do famoso festival de Joinville. Em São Paulo, diversas cidades conheceram o tra balho realizado pela escola de Dança de Paulínia, sempre competindo de igual por igual. “A dança pra mim é um trabalho de socialização, para que crianças das escolinhas possam ter o mesmo condicionamento que outras e participar em pé de igualdade nas competições. A cada ano elas evoluíam até chegar ao aprimoramento”.  

Os espetáculos aconteceram em ruas, praças, empresas, ginásios municipais e particulares, além de teatros. Eles eram montados conforme o tipo de apresentação: em carnavais, como desfile em escolas de samba e cerimônia de escolha de Rainha e Rei Momo, ginastrada (regional e estadual), Páscoa, folclorada, festas juninas, abertura de jogos, Semana da Consciência Negra, Natal, aniversários da cidade, entre tantos outros. 

Sua jornada na dança 

Estudou e se aperfeiçoou em 33 anos dedicados à dança. Teve aulas e cursos com os maiores nomes da dança contemporânea atual, entre eles o bailarino e coreógrafo Luis Arrieta. Aposentada, não pensa em parar, abriu o seu próprio espaço: o Corpo de Dança Malba Aragão.  

Malba Aragão é professora de dança, coreógrafa, diretora artística, supervisora, figurinista e intérprete de todos os seus espetáculos. Suas apresentações nos ginásios de esportes lotavam a cada ano, o mesmo ocorre hoje no teatro municipal.  

“A dança hoje em Paulínia está em outro patamar, de um modo geral, podemos crescer ainda mais. Vejo nomes importantes desenvolverem um ótimo trabalho. Acredito que contribuí e ainda contribuo para o crescimento e desenvolvimento da dança na cidade, pois tenho vontade de fazer algo melhor”, conclui.