Voluntariado: a nobreza e o valor do altruísmo

Em comemoração ao Dia Nacional do Voluntariado reunimos exemplos de cidadãos paulinenses que praticam esta ação tão nobre em prol da sociedade

POR EDUARDA ARAÚJO
FOTOS: EDUARDA ARAÚJO|ARQUIVO PESSOAL

Movidos pelo sentimento de solidariedade e responsabilidade social, muitas pessoas dedicam-se de forma voluntária em prol de projetos sociais. São vários os motivos que levam uma pessoa a ser voluntário: demonstrar gratidão pelas conquistas pessoais, por ter afinidade com uma causa humanitária, ou simplesmente por ser um valor intrínseco, doar-se ao outro sem a espera de algo em troca é algo louvável. E por isso, no dia 28 de agosto comemora-se o Dia Nacional do Voluntariado.

Administrar os compromissos cotidianos e ainda se comprometer com o voluntariado é uma tarefa difícil, mas necessária, principalmente quando pensamos que muitas vezes as instituições que fazem trabalhos sociais e comunitários não têm os meios financeiros e a ajuda necessária para manterem os projetos funcionando. Dependendo, na maioria das vezes, de doações, recursos advindos da organização de eventos para arrecadação e principalmente de voluntários.

Soliane Araújo, auxiliar de Enfermagem, é voluntária há muitos anos. Junto com a psicóloga e teóloga, Romilda Queiroz, elas desenvolvem e gerenciam projetos de

Augusto, 20 anos, junto de sua prima Vitória, 13 anos, que também é voluntária do Projeto Voz e Violão

humanização na área da Saúde em Paulínia.

 

“É de extrema importância a participação dos voluntários para o andamento dos projetos. O princípio do voluntariado é estender a mão para o outro, ser puramente solidário, sem ego envolvido. O voluntário quando se compromete a isso só acrescenta dentro de um projeto”, avalia Soliane. Alguns dos projetos que elas gerenciam são a Arteterapia e o grupo Voz e Violão, por exemplo.

Um dos projetos propostos por Soliane foi de orientações de Informática Básica para os profissionais na área de Saúde que não têm afinidade com estas habilidades e contou com a ajuda voluntária de seu filho, Augusto Leandro, jovem de 20 anos e estudante do curso de Segurança da Informação.

Durante duas vezes por semana o estudante presta auxílio e ajuda na resolução de problemas simples e concede informações básicas sobre o sistema operacional Windows e seus aplicativos De acordo com Augusto, a experiência de ser voluntário é inexplicável. “A gente conhece muitas pessoas novas e diferentes, aprendemos bastante. É muito legal saber que eu posso contribuir passando um conhecimento que eu nem imaginava que tinha valor para outras pessoas”, comenta o estudante.

Aline Perozzo, funcionária pública de 34 anos, decidiu dedicar seu tempo para a causa dos animais. Há oito meses é voluntária na ONG de Campinas, Gatos da Lagoa. O objetivo deste projeto é dar amparo aos mais de 300 gatos que vivem no Parque Taquaral, em situação vulnerável ou abandono. Aline ajuda semanalmente abastecendo os pontos de alimentação espalhados pelo parque, além de ajudar em eventos de arrecadação e auxiliar no acolhimento de animais abandonados ou que estejam vulneráveis.

A funcionária pública diz que vê o voluntariado como forma de retribuir e agradecer por todas as bênçãos em sua vida. Aline afirma que para ela é de extrema importância a prática do voluntariado e que todos devem tentar retribuir de alguma maneira, com a causa que se identificar. “Se voluntariar é uma oportunidade para evolução pessoal também. Para mim é uma obrigação moral assumir esse compromisso. A gente precisa retribuir de alguma forma”, declara.

Mais de 40 anos de dedicação ao voluntariado

Rita Coelho representa um grande exemplo de cuidado ao próximo em Paulínia. A Relações Públicas, já aposentada, se dedica a causas humanitárias desde 1977. Já esteve à frente da Secretaria da Criança e do Adolescente do Município de Paulínia, cujo atendimento era voltado para famílias em situação de violência Doméstica e atualmente é voluntária no Lions Clube de Paulínia com o cargo de Diretora de Eventos e Assessora de Comunicação e Marketing.

Estão entre alguns dos projetos que já esteve ligada o Programa Portas Abertas para o Jovem Aprendiz (desenvolvido dentro da Shell Brasil, na Divisão Química); o Projeto Futsal, que atendia mais de 100 crianças. Além dos projetos atuais no Lions Club de Paulínia como: Visão, Diabetes, Meio ambiente e Alívio a fome, Câncer Pediátrico, Lions Quest, Cartaz da Paz e Juventude. Como reconhecimento pelo notório trabalho humanitário, Rita recebeu a Comenda Melvin Jones, uma honraria do Lions Clube Internacional.

“Ser voluntária é você se colocar no lugar do outro. Quando isso acontece o coração se abre com amor, você contribui da melhor forma possível e sente a presença de Deus te ajudando e orientando a fazer o melhor”, afirma Rita.